quinta-feira, 12 de junho de 2008

Caminhoneiros paraguaios em Franca




Em época de escândalo envolvendo carteiras de habilitação, não é uma boa circular com documentos de origem duvidosa. Que o digam três caminhoneiros do Paraguai que resolveram passar por Franca ontem. Eles foram parados pela polícia rodoviária e tiveram suas carretas e carteiras apreendidas.

O motorista Hugo Cubas, 33, deixou a cidade de Curuguati, Paraguai, no início da noite de quarta-feira. O destino era Divinópolis (MG), a 1.340 quilômetros de distância. Por volta das 10 horas de ontem, a viagem teve de ser interrompida. Ao passar pela ponte da Rodovia Fábio Talarico, altura do Distrito Industrial, parte das sacas rasgou ao raspar na estrutura de concreto.

Já na alça de acesso para a Cândido Portinari, perto da Unifran, uma equipe da Polícia Militar avistou a carreta derrubando a carga nas margens da pista e resolveu abordar o veículo. O que seria uma simples averiguação, se transformou numa ocorrência confusa. Ao notar que o condutor e toda a documentação eram provenientes do Paraguai, o policial acionou a Polícia Rodoviária.

Neste intervalo de tempo, outro carvoeiro com 30 mil quilos na carroceria, também vindo do país vizinho, parou pouco à frente em solidariedade ao compatriota. Hugo Cubas apresentou seus documentos pessoais e a habilitação, todos emitidos no Paraguai. Garantiu que era de boa procedência. Aparentemente, estava tudo em ordem. Após consultar o CTB (Código de Trânsito Brasileiro) e disparar telefonemas para o superior hierárquico, os patrulheiros concluíram que era caso de apreensão.

Antes do veredicto, o caminhoneiro que havia parado para dar apoio acelerou seu “bruto” e tentou seguir viagem sem autorização dos policiais. Foi seguido por uma viatura e detido em um posto perto de Patrocínio Paulista. “Como não entendia bem o português, ele achou que havia sido liberado”, contou o soldado Moreti.

O motorista fez o retorno e seguiu novamente para o ponto onde estava o primeiro caminhão abordado. Neste momento, um terceiro paraguaio já havia parado com um caminhão sem carroceria para também dar seu apoio. “Que pássa?”, indagou o estrangeiro. Ele também teve sua carteira apreendida.
VIAGEM INTERROMPIDA - Carvoeiros do Paraguai são multados e retidos em Franca até regularizarem suas habilitações
VIAGEM INTERROMPIDA - Carvoeiros do Paraguai são multados e retidos em Franca até regularizarem suas habilitações

Os três motoristas foram autuados e tiveram seus caminhões recolhidos. “Eles precisavam ter a habilitação traduzida. É uma exigência do CTB. Como não dispunham, os veículos foram apreendidos e levados para o pátio do Dinfra até regularizarem a situação”, explicou o sargento Verdinelli.

Com fome e sem conhecer a cidade, os paraguaios lamentaram a situação. “Sempre viajo, sou parado direto pela polícia no Brasil, mas nunca tive o caminhão apreendido por isto. Não sabia desta exigência. Fazer o quê, né?”, afirmou Hugo Cubas, que disse ter sido contratado por R$ 950 para fazer o transporte. Eles foram orientados a obter a tradução ou contratar um motorista habilitado para retirar os caminhões. Até o fim da tarde, apenas um dos motoristas havia conseguido liberar seu veículo.

texto retirado jornal Comércio da Franca Sábado, 7 de junho de 2008

Meu comentário

Achei essa situação mito estranha.JA morei no Paraguai e la,meus documentos de indentidade,cnh valem normalmente e tem mais,o mercosul garante esse direito de livre circulação a eles,coisa que a autoridade brasileira local aqui "bobeou".È só observar no Rio Grande do Sul o grande volume de paraguaios,argentinos e uruguaios que procuram nossas praias,as cidades de fronteira etc.Todos os documentos são aceitos nos menbros do mercosul,pelo menos,isso sempre aconteceu comigo.Cabe aos "irmãos"paraguaios serem instruidos e entrar com uma ação indenizatória contra o estado brasileiro ou paulista,já que sem duvida foram alvo de arbitrariedade.Advogados de plantão,não interressa uma causa dessas?
O mais engraçado de tudo isso,é que domingo de manhã,ou seja poucas horas após a apreensão dos caminhões,eles já tinham sido liberados do patio do dinfra,será que as autoridades francanas perceberam o erro??

Um comentário:

MATHEUS disse...

Achei esta situaçao muito engraçada ,e acredito que os policiais francanos perceberão seu erro e deixaram nossos "vizinhos seguirem sua viagem,porem eles realmente erraram apreendendo os caminhões dos paraguaios,e tambem concordo com o processo de indenização contra o estado paulista,pois um tempo atrás vi uma reportagem no JN que os paises sul americanos fizeramum acordo no qual consta que as carteiras podem valer em qualquer um desses paises !!!